quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

To na Rua (PerGaminho ou PerCaminho?)

Pequeno jogo de palavras perdidas em uns caminhos estreitos, quando corria atrás dela... Até alcançar a janela de sua alma e adentrar feito um louco bandido...
(Por: Livia Queiroz)
P.S.: Se não estiver conseguindo ler, clique na imagem para aumentar o tamanho...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Preciso de Pouco

Em tempos de fim de ano, sempre observo as pessoas, as mudanças de comportamento, as novas esperanças, o cheiro de ano novo...
Tudo ganha cores novas.
Não sei se é pelo desejo real de mudança ou se é pelo desejo de que tudo acabe logo mesmo.
No meu caso, é um pouco dos dois... Mas no fim das contas descubro que eu preciso é de quase nada...O Sorriso Certo,
O Olhar Verdadeiro,
que faz parar o tempo...
A vontade de viver coisas novas
Grandes Novos Amores ou apenas Um
Desejos de ir
Sonhos novos que me permitam ficar
(Idas e Vindas: isso já não me confunde tanto)

Pessoas...
Palavras...
Música...
Cores...

Um tantinho de dinheiro no bolso

E no fim das contas, pra selar tudo isso, nada melhor do que O Abraço...
O Seu!!!


Saudades...
Ah, eu preciso de VOCÊ perto de mim


E você, amigo blogueiro, precisa de que?



DESCULPEM-ME A AUSÊNCIA, E A DEMORA DE POSTAR, ANDO MEIO SEM TEMPO...

(Por: Livia Queiroz)


quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Sem Controle

Controle-Remoto
Mão sem controle
...
Esbarra na mão
Sorriso
(Foi de propósito) - Pensamento
Suspiro
Luz Apagada
Tv Ligada - Filme
"Que filme que nada!"
Faltou energia (eba!!!)
Riso
Mão Boba
Boca
Cheiro
Gosto

Eu Gosto!!!


(Por:Livia Queiroz)

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Trechos de Nada


Vive reclamando do pouco tempo que tem.
Das filas enormes nos bancos.
Da falta de tempo pra família
Da falta de tempo pra si mesmo
E sua alma é ingênua: Ela acredita... acredita em tudo!

No fundo está sempre esperando...
Espera pela melhor resposta, pra poder aceitar os fatos.
Espera um sorriso pra poder retribuir.
Espera um amor pra começar a amar
Um outro corpo para aquecer o seu.
e Vive dependente da própria dependência.

Acredita nos beijos mais fáceis e mais vazios
Acredita que acredita no outro
Como se o outro não cometesse o mesmo erro.

Vive com a certeza de que o pleno é realmente o completo.
Confunde esperanças com espera.
O pior: Espera da maneira mais inútil
Espera o que não vem!!!


(Por: Livia Queiroz)

Perdoem-me o pessimismo estampado nesse post...
Depois de algum tempo achando que tudo estava voltando ao normal, as coisas desandaram novamente... enfim, mas isso também é viver.



segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A sala de Retalhos

Olhava aquele lugar como se fosse o primeiro que vira em toda sua vida. E de fato o era. Embora tivesse crescido ali, mas acostumara-se a não reparar. Apenas vivia por lá e pronto!
E ponto.

Vestia-se de si mesmo todos os dias, mas naquele dia não teve escolha, aquela sala o obrigara a se despir. Não sabia se fora pelo novo desejo de partir, ou se fora pelo velho desejo de ficar. Pôs-se a catar os pedaços que não serviam e costurar meio despretenciosamente e sem a menor noção do que aconteceria...
Apenas selecionava o que a alma jogaria no lixo e costurava um pedaço no outro que também não haveria de prestar. Demorou quase a vida inteira para conseguir...
Por fim construiu-se e destruiu-se ao ver um espelho cru, feio e em pedaços que ele mesmo emendou...
O formato turvo da costura, as cores mórbidas dos retalhos, o efeito sombrio que tudo aquilo o causara, inundou aquela sala de terror e o seu peito de desespero.
Catou também o desespero e emendou na costura.
Não faria mais nada dali em diante.
Tornara-se inerte!


(Por: Livia Queiroz)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Volta-e-meia-volta.

Segunda-feira dia de postagem nova...
Na verdade eu ia postar outro poema, mas esse aqui eu fiz ontem(16/11) à noite e decidi postá-lo hoje.
Ela que era geralmente relapsa
Se encontrava perplexa
Com o rumo complexo
Qua a situação tomou...

Compadecidos e estimulados
Talvez embriagados por tanta informação.
Ela comia batata-frita
Ele bebia vinho tinto.
Ambos ao som e imagem incandescente
Do Mestre Chico.

Ele falava-lhe sobre suas causas nobres
Sonhava com uma nova revolução
E ela queria apenas ter uma filha
E o xingava em inglês.
Acompanharam então, com precisão eloquente
O minar das proparoxítonas da plena Construção*.

Ele queria uma coisa
Ela também queria.
Ele desejava mostrar-lhe os livros que costumava invadir
Ela desejava mostrar-lhe as músicas que costumavam invadi-la.

Um sabor exagerado, mas nem por isso desgostoso, de diferença fritava
ao compasso dos passos apressados da garçonete.
Compartilhavam de maneira sólida as palavras e defendiam suas idéias:
Mirabolantes, exorbitantes, por vezes sincopadas em vaticínios prolongados
Isso aí era amizade.

Ele meio tonto. Ela meio gorda.
Ele quase um homem. Ela quase mulher.
(ambos à caminho desse cruel fim de linha)
Ele meio assim. Ela mais assim ainda.
Aquilo, daquele jeito, era amizade.
Saíram juntos do tal lugar
Ela ainda perplexa. Ele ainda convicto.
E cantarolaram o que não deviam.
Enquanto riam de si mesmos.

Descobriram por fim que o que ambos queriam era mais do que aceitável:
Queriam apenas uma poesia ritmada.

E quem ousaria impedir-lhes?
Afinal eram um Saxofone e um Violão.

Singela homenagem à Gleison Coelho e um brinde à nossa amizade.
(Por: Livia Queiroz)

Na foto: Ele e Ela
Citação: Construção* música de Chico Buarque

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Andar de cima...

Dia meio perdido, depois de uma noite quase só, não fosse pela companhia dos fones de ouvido.
Madrugada mal dormida e coisas mal planejadas.

É esse meu medo: que isso se torne um hábito...um vício.

Penso constantemente no que tenho que esquecer, faço listas e não lembro onde as coloco, conheço pessoas e seus nomes me passam despercebidos.
"Isso aí é pura falta de atenção"
, ela me diz em tom de brincadeira enquanto organiza a própria vida... E deve ser mesmo.
Falta coragem pra me concentrar, e as palavras acabam fugindo de medo...pavor...

Eu queria ter dito algumas coisas antes, mas aí ficava esperando o momento certo e o momento nunca veio. Defeito terrível da espera...

Maldita hora bendita!!!


"Bom dia Anjo Lindo...
Saudade de você.
Parece que foi ontem...

Ah, e foi mesmo.
Que cabeça a minha!

Desculpa é que perco a noção do tempo...

O tempo...
O tempo tá passando e recolorindo as minhas mais novas "vontades":

Vontade de ver

Vontade de ficar só

Vontade de não fazer nada

Vontade de fazer um monte de coisa

Vontade de querer o novo...


As coisas novas sempre estão prontas pra assutar.

Acordei assustada, mas com aquela certeza novamente:


Deu Positivo!

Estou grávida...




Grávida de Liberdade!!!"



(Por: Livia Queiroz)

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Esconda-me...

Esconde-me da solidão,
Faze-me ser como antes: de coração um pouco mais duro,
e face mais encrespada
Ajuda-me a ser de novo como o vento
que em suas passadas nunca ficam no mesmo lugar
Desfaz-me esse destino
ou desatino[?] : prisioneira livre de novo num mundo tão povoado...



Esconda-me da solidão
Faça-me renascer num colo qualquer
Inventar umas boas maneiras de novo
Qualquer coisa concreta
e como dantes: de poucas palavras!


Faze-me voltar ao lugar no topo
Ajuda-me com um caminho novo
Porque o que há de oco e vago
Me Consome à procura de um pouco mais
E não há nada pra preencher.
Só há mesmo o que esconder.


(Por: Livia Queiroz)

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Eis...Finge

Depois de dias sem escrever realmente nadinha, a falta disso ou daquilo, ou de tal coisa e etc... me trouxe um presente: esse poema...



Minhas palavras estão gastas.
Esgotadas...
Com uma maldição, talvez.
A bad trip. An awful dream...
Coisas assim!

Não há mais melodia que me alcance.
Nem verso algum que me povoe.
Estou vazia!
E ao temer a escuridão, releio uns escritos antigos
Centelhas de um tempo qualquer...Faíscas do que serviu...

Acabou a morte primária
Dos pêlos e pólos
Acabou-se-Esgotou
Palavras certas esvaíram-se por fim
E não há nada por terra.

Comerei dicionários então?

Talvez, mas me falta a essência
o feeling, o tato, o ato, o fato
O jogo, o fogo, o nojo, o acúmulo
e o desgosto do gosto que gosto.

Foi-se a etapa fúnebre e sutil
O âmago e o amargo
E as palavras vivas não me corroem mais
Não me encontram o endereço da alma
Estou presa num novelo seco de linhas turvas.

(Por: Livia Queiroz)

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Quase nada mudou

Estou há muitos dias sem escrever nada... Crise(de criatividade)...Cansaço(é raro admitir, mas quando digo que estou cansada, é porque estou mesmo e não há canto no mundo pra estirar o corpo. Cansei de tudo. de TUDO mesmo)... Dias corridos(24h já não são suficientes)... Saúde(ou melhor, a falta dela)... Trabalho... Preocupação...Coisas e mais coisas e mais e mais, menos mal, sinal de que estou viva!
Resolvi então, repostar esse poema que fiz há mais ou menos um ano atrás, e já que muitos amigos blogueiros ainda não conheciam o Assuntos de Menina quando o postei da primeira vez aqui está ele:


Ainda durmo de meias
E uso roupas curtas
Quase nada mudou
Aceito quase todos os convites
Minhas mãos ainda são as mesmas
Meus lábios têm o mesmo calor
Só meus braços que não estão mais abertos
E meus sentidos que estão mais aguçados.

Ainda uso aquele casaco branco nos dias frios
E escureço os cabelos
Mas não rôo mais as unhas de ansiedade
Pinto os meus olhos e disfarço minhas olheiras quando não me vem o sono
Mas eu não toco mais as mesmas canções
E não cito as mesmas frases de amor

Ainda tomo café naquela xícara enorme
E sinto nostalgia nos fins de tarde
Mas não marco mais as datas importantes no calendário
E nem arrumo mais os bibelôs na estante
Passo sempre pelos mesmos lugares
Mas me preocupo menos com o relógio
Faço quase tudo o que quero
E muito menos do que posso
Meus pés estão indo pelo mesmo caminho
Quase nada mudou.


(Por: Livia Queiroz)

sábado, 11 de outubro de 2008

Com (s)(n)(f).ome


Fiz esse poeminha e decidi postá-lo de maneira diferente... rsrs
E quem ousará dizer que eu não tenho paciência???


MUDANDO DE ASSUNTO...
SELINHOS


Ganhei esses Selinhos Lindos da Milla, do Acorde em Mi Maior:

E passo esse Selos para a Sammyra do Blog Borboleteando e para a Liana do Blog Tack at the Bonus Track

Ganhei também da Milla, Um Oscaaaar, huuum quem diria??? hehehehe
Mas esse tem certas regrinhas...

Seguinte:


1º)Expor o selinho no blog
2º)Colocar o link de quem ganhou o selinho
3º)Escolher 10 blogs
4º)Falar porque escolheu os blogs


And the Oscar goes to:

Murillo Leal : Um blog que trata de assuntos sérios e polêmicos de maneira tão irreverente, merece um Oscar. Parabéns Murillo

Pedro Berocan: O Blog dos poeminhas bem curtinhos. Em poucos versos nos faz pensar e entrar em sintonia com o mundo das palavras...

Everton do blog Outras Estações: adoro as coisas que esse cara escreve e Ponto FINAL!!!

Daline Lucena: A menina da Abaíra, que sabe fazer uso de todas as palvras que estão a sua volta, e escreve de forma magnífica...

Liana, Lili: Quem escreve sob metáforas e piadas internas, e de maneira subjetiva, tornando os textos tão gostosos de ler merece sim um Oscaaar... Adoro suas abstrações Lili!

E NÃO É QUE SÓ PRESENTEEI 5 BLOGS??
MAS SÃO OS QUE EU REALMENTE ACHO Q MERECEM O OSCAR



segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Beirando Chaves...

Você aparece e não tem jeito!
Eu olho...

Viro uma fanática, lunática, apática...etc etc etc
Mas olho.

E é por dentro...
Por dentro de sua roupa...(é eu não presto mesmo!)
Por dentro de seu corpo,
quero enxergar sua alma, sua lama...
sua...sua... (não sei explicar)
mas eu quero!

É impossível...
não impossível não é,
mas é difícil...
vivo em ânsia constante,

À mercê de sua... c r u e l simpatia.

Mas estou beirando as chaves.
As chaves de onde tranco o que não é pra ser.
As palavras malsãs e constantes que não me soltam nunca.


(Por: Livia Queiroz)

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

MENINA DAS TRANCINHAS

Estou há uns dias sem postar nada...
Eis que meu querido blog ficou entregue às moscas
- Perdoe-me querido blog (rsrsrs oh isso foi profundo tosco).

O motivo de tal "abondono" é que estou me dedicando muito à minha mais nova loucurinha: ESCREVER UM ROMANCE, e tô gostando.

Outra coisa: Estou amando diálogos agora...
Huuuum, porque será?? rsrs

Segue mais um:

Pequeno diálogo entre EU e PEDRO BEROCAN do blog Resto de Verso aqueeeele blog dos poemas pequenininhos:

-Vi o que vc comentou no meu blog...
- Aaaah eh eu gostei do seu poema
-E nem sei o que postar hoje...rs
- Eu também não, meu blog tá entregue às moscas. Sabe uma coisa que desanima o blogueiro?
- O que seria?
- Aqueles comentários da galera que nem lê o que você postou aí põe lá: "bom blog"; "legal o texto"...
- kkkk Tem uns que pousam do nada
- É. Ainda bem que tem gente que reconhece o nosso "trabalho".
- É... Acho que vou fazer uns reloads de post antigos...
- Eu não faço a menor idéia do que postarei hoje. Socoooooorro, meu bloguinho entregue às traças...
- Bem, eu até ajudaria se eu não estivesse com o mesmo branco. :D...O blog das tranças sob as traças...kkk
- Hum, tenho um poema chamado A menina das trancinhas acho que vou postá-lo. Pow vc me lembrou bem!!! hahaha
- Belo traçado para o blog das tranças sob as traças. Vai sair um trava lingua....kkkkk
- Vou colocar isso no meu blog também e lhe darei os créditos huahuahua...
- Tá bom... rsrs

CRÉDITOS à Pedro Berocan, como havia prometido hehehe!

Mas segue o poema, isso aí sobre A Menina Das Trancinhas...

(Estou apenas transcrevendo as palavras que alguém disse-me há algum tempo. Seria Egocentrismo escrever sobre/para si mesmo?)


A menina das trancinhas
Vem como quem não quer nada
Óculos escuro, bermudão e tênis
all star
Sua malandragem é explícita,
E tem aquela indecência adorada
Quando conta as suas causas nobres
Lábios nervosos,
Umas coisinhas cor-de-rosa só pra disfarçar
(disfarçar o que? Gosto de azul também...rsrs)
Mas a menina de trancinhas

Segue um ritmo próprio,

Cantarolando a melodia que pega no ar

Ela sempre pega no ar...

Pega no ar também
Algumas borboletas...
Coisas de Menina.

- Fala quase nada essa menina

Embora
olhe pelos cotovelos
O meu medo é não conseguir me desprender
Desse belo entrelace


Eu Sou a Borboleta que ela pega no ar!





(Por: Livia Queiroz

Participação Especial: Pedro Berocan)

domingo, 28 de setembro de 2008

un des rares stigmates

O meu personagem não tem nada que lhe acrescente. Não é um tolo, nem tampouco vingativo. Sabe de algumas coisas que qualquer um outro com sangue correndo nas veias saberia. Ele vive, apenas.

Não há nele qualquer palpitar esplendoroso ou sagrado e nem tantas lembranças para sorrir ou almejar novos horizontes.

Esse ser de quem ouso falar com propriedade(milagre por acidente), é fruta seca e coração (músculo) madurinho quase apodrecido. Sem choro ritmado ou qualquer tristezinha para reclamar da vida e de seu Deus, como lhe ensinaram.


Me apropriei dele...

Projeto-me nele e ele procura repouso em meu colo sem carinho e ainda consegue se afogar na falta de compaixão que carrego em minhas mãos.

Sua falta de maldade é uma afronta escondida por mim quando não há meios de fugir de certas cartas e quando[quase sempre] faço coisas erradas e coloco-as entre parenteses. O ser em questão é escorregadio e não tem o rebolado da cor do samba.
É um aborto solto que não é infeliz de todo.


Tem um pouco de dinheiro na carteira e um bolso furado.
Escuta a própria voz orando mecanicamnte pela manhã e à noite, antes de dormir. Reza mesmo sem saber se o que sente enquanto o faz é mesmo fé.

É um homem por dentro de uma mulher submersa na epiderme de um outro homem escondido num rosto de mulher, mas no fim das contas é só ser humano e entre as pernas é assexuado.


É dispensável tal qual unha encravada.
Substituível sim!

O meu personagem, que na verdade não é mais meu, não é digno de pena ou piedade. Não é bom nem mau. Não faz bem nem mal. Não faz dívidas. Não tira dúvidas.

É auto-corrosivo.

Ele não é completo(e não é incompleto).

É solto.
Parece usar vestido esvoaçante.

É virgem. É oco.

Ralo: de corpo e alma.

Um Rascunho que Deus deu pernas, braços e olhos...órgãos também.

É esboço de gente por terminar



( Desenho e Texto por: Livia Queiroz)

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Meu Psicólogo não foi trabalhar hoje *.*

Oh Dr. Rodrigo, meus amigos blogueiros vão sofrer!

"Você deve ter algum distúrbio..." (uma infeliz coincidência ter-me falado isso hoje, justo hoje que o Dr. Rodrigo não foi trabalhar)

Ah sim! Já sumi... Evaporei! Saí definitivamente do alcance de seus olhos...Desculpa (tá bom esse trechinho não quer dizer nada, Dr. Rodrigo vai entender isso quando vier ler)


[começa daqui]
Não precisa dizer:
- Poxa você me deixou arrasada!

Não precisa arranjar meios de obter explicações. Não precisamos nos explicar, honey. Não mais. Não agora, rsrs.
À medida que os dias passam todo mundo vai se curando. É perfeitamente normal e aceitável.
Não se espera retorno do que já não vinha há tempos, isso é fato.

É... saí definitivamente do alcance de seus olhos e banalizei uns temores a fim de torná-los menos perceptíveis à olho nu (aos seus olhos e à sua nudez...)
E não borbulha mais (quase) nada diante do espelho ou embaixo dos lençóis.
Não se pode dizer que deixei de ser doce, mas à você direciono apenas partículas insosas, insípidas.
E isso nem é pra você [Nem é para ninguém além de mim mesma!]

O bom é que, quando as pessoas se respeitam, tudo termina com sensação de "missão cumprida", ou sei lá algo do tipo:"É, infelizmente não deu..."
Só não pode usar brinquedo quebrado nem pegar estrada esburacada.
Oneway é para poucos corajosos.
E quem apela pras fotos, ou pros recados, pras frases... só apela mesmo.

Tem gente que custa a aprender tanta coisa...[Eu custei a aprender]

Dia desses conversava com uma amiga(era mais uma crise minha de: oh mundo crueeel!!! Ja me curei, rsrs eu juro), e acabei enxergando de novo aquelas pegadinhas antigas que eu deixava escondida por onde passava(manchas de graxa em chão branco).
E decididamente, eu não sabia de nada, nem o que eu podia fazer, ou podia ter feito!
[A verdade é que na hora da queda ninguém tentou fazer realmente nada de concreto, só cruzaram os braços e esperaram- o quê?- podiam ter lutado mais, corrido atrás mas de pés fincados no chão continuaram e não há porque reclamar, o que de mais ridículo fazemos agora é arranjar uns motivos toscos pra brigar, ficar com raiva e esquecer- um dia- aos poucos- ou logo agora - e blá blá blá...]

Eu lembro que houve uma época em que eu me vinguei de minha própria vida. Não houve tantos danos(uma terapia concertou um tantinho rsrs, e acho que meu psicológo quis cometer suicídio diversas vezes depois de ter-me conhecido).

Eu volto a escutar Zélia Duncan cantando "Quisera eeeeu ser a primaveeeera".
Por falar em Primavera, ela já começou. E por falar em Zélia, bem... "Quisera Eeeeeu" rsrs

Eu fico imaginando umas cenas de filme, e um palhaço horrendo saltando da caixinha com aquele risinho medonho. Pode ser que não tenha superado totalmente, uuuh coitado do Rodrigo rsrsr. Vamos lá, começar tudo de novo?
Dispensando apresentações...(óbvio)

Recepção, sala de espera e enfim à sós... Ah, podeira ter a San tocando teclado de novo né? Como foi há 2 anos atrás... E deu história!

Mas caindo na real, hoje sou só eu no meu quarto de frente pra uma tela de computador imaginando as caretas que os leitores estarão fazendo ao ler esta porcaria...

Um dia eu serei objeto de estudo! rsrsrs
Ou alvo da 3ª Guerra Mundial wow...

Brincadeiras à parte, os paredões jã não me assustam tanto (NÃO tô falando de Big Brother Brasil). Acho que depois do fim sempre tem um outro fim e mais outro... o chato é só o inesperado...


*************Pequeno Diálogo-Adorável-Diálogo***************************

San and I

- Porque você associou sua felicidade à uma pessoa? Você tava indo tão bem.
- Não sei, preferi acreditar que dessa vez seria pra sempre.
- Pow, cê não escuta Legião Urbana não? Nem Cassia Eller? "O pra sempre sempre acaba"
- Sacanaaaaaaaaaaagem... [risos]
- Fecha a porta Livinha.
- A porta ta fechada...
- Não to falando daquela porta. To falando da sua cabecinha confusa... Põe tudo no lugar, arruma tudo. Você sabe como fazer.
- Você me ensinou.
- Você aprendeu.
- Meu all star tá sujinho.
- E você ta mudando de assunto. Seu all star tem cor de sujinho.
- É porque ele é velhinho, mas eu gosto.
- Eu também... gosto muito!
[Cenas cortadas...]


Por:. Livia Queiroz

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Passarinho azul (de papel)

Eu a escutei dizer: "Deixa ela... Ela é um...um...passarinho"


É!

Ela é um passarinho...azul...

Recolhe toda a liberdade
e o seu bater de asas é um insulto

Um desaforo quase que explosivo.

Uma afronta ao que a outra carregava.

(Os pesos que um passarinho não sabe de onde vêm)

Ela é um passarinho... azul...

De asa quebrada, de coração quase que vazio

Singular...ímpar

Mas é só um passarinho

Que conhece o palpitar de outra alma

E fecunda o doce da vida


Um passarinho de papel...azul

Azul e amassado.

Voa entre a não-tristeza e a não-felicidade

E uma pedra O atingiu ou A atingiu

Para sempre...




Eu a escutei dizer: "Ela é um passarinho azul...e de papel..."


(Por: Livia Queiroz)

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Quase pronto!!!

Mesmo depois de algum tempo, os olhos dela ainda eram os mesmos."Eu não posso olhar para ela, não posso", dizia para si mesma.
Olharam-se... e ja não tinha mais como fugir.
O beijo tinha o mesmo sabor.
O toque era intenso ainda. Tudo igual...tudo...
Como assim? Como podia?
Não haviam falado nada do que deveriam, o silêncio passou a ser constrangedor, mas era bom ao mesmo tempo, estar ao lado dela.
Sentir seu ar sereno, a respiração leve mastigando o ar.
Aquilo era bom, realmente!
"O mundo podia acabar agora", pensava.
E numa fração de segundos estavam ali, juntas, bocas, mãos, corpo...todo o corpo.
"Por Deus, o que é que estamos fazendo?", pensou, mas logo abstraiu esse pensamento indesejado.
Alguns "eu te amo" cortaram a silêncio ao meio.
"O que estou fazendo?" pensava, insistia, mas o corpo não obedecia mais, e não fazia questão nenhuma de parar.
"Não quero ficar sem você", foi o que disse...foi o que sentiu... o que quis gritar.
Tremiam por dentro, exalavam aqueles cheiros de sexo a ser consumado.
Entupiam-se uma da outra.
Mordiam-se, por dentro e por fora.
"Que desejo louco..."
Algo ficou por terminar.
Declamavam um poema quase pronto, mas faltavam alguns versos e ambas sabiam disso.
Embora não tivessem dito nada. E já era a hora de ir...
- Eu te amo viu?
- Eu também. Tchau!

E o que viria depois disso?
Talvez uns últimos versos pra completar o poema que faltava ser vivido.


(Por: Livia Queiroz)

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Passa merthiolate.ô

Tenho procurado maneiras de lidar com a dor. Esses últimos dias ela tem-me feito uma companhia incrível (e dispensável também)...

Surgiu então uma receita:

"A Receita de Lili"

Ingredientes:
  • Merthiolate
  • Um pouco de fôlego
  • Uma cama
  • Um tantinho de voz
Modo de praparo:
"Passa merthiolate, sopra um pouco, descansa, canta e fecha os olhos... aí tu fica bem :)"


É... e funciona, embora a música seja muito mais eficaz do que o merthiolate. (Aí quando Lili ler isso ela provavelmente vai me dizer: ô Livocaaa, sua anta, o "merthiolate" é só uma metáfora).

Às vezes um empurrãozinho ajuda muito... ou quem sabe um empurrãozão(o aumentativo é esse mesmo? ou será empurrãozaço?), como o de hoje.
Admito, numa boa, que a receita de Lili ajudou e continua ajudando, mas tive uma contribuição ilustre. Foi como uma sacudida e um gritinho de: acordaaaaaaaa (que rolou inconscientemente aqui dentro disso que posso[?] chamar de cérebro).
Pois bem aqui estou eu acordada, e de pé (o tronco não está completamente ereto ainda, fazendo jus a espécie, homo sapiens, a qual pertenço por sorte ou azar), mas à medida que o peso da dor vai cessando vou me reerguendo. Os ombros ficam mais leves.
É óbvio que as coisas não somem de uma hora pra outra, mas a paciência é a minha aliada.

E a teoria de San diz o seguinte:" Ô Menina das trancinhas(EU), a única coisa que é lindo quando fica trançado é o cabelo. O Cérebro não pode ficar, muito menos o coração" O.o

É mesmo hora de destrançar a mente...procurando algo novo, ainda que os sabores sejam um tanto amargos(nesse momento) sem a tal presença, e ainda que meus olhos esbarrem de propósito todos os dias na mesma fotografia.

Eu não quero dar troco... Não quero me machucar mais e nem machucar ninguém de novo... Só quero estar em paz...

Ja dizia Nando Reis: "O Que está acontecendo? Eu estava em paz quando você chegou"

Não vou me subtrair.
Tirar os excessos é aparar as arestas(?)

E dia desses, Nanda Perguntou: "só por causa de um recado?"
Respondo hoje:"Não, Nanda...não é só por isso! Teve mais...hoje teve mais coisas..."

Voltando ao ponto inicial: mas esse post era sobre o que mesmo?
Ah tá uma bagunça isso... Deixa assim, é como eu ando ultimamente: bagunçada por dentro.
Mas to começando a arrumação, cada coisa em seu lugar. E brevemente os meus posts serão mais coerentes (ou não rsrs!). Prometo!

Hoje eu descansei um pouco mais, limitei-me um pouco mais. Dei alguns bastas. Usei uns "Adeus" e acho que ta funcionando (só não sei até quando).
E escutei umas centenas de vezes a música:"Vai, vê se me esquece, tira meu nome da lista de telefone..."(Ana Carolina)
To me irritando menos com as coisas que vejo, e aprendendo a dominar meus medos, e minhas angustias. Auto-controle nunca é demais! Auto-conhecimento também não!

E Clarinha (minha criaturinha de pequeno porte)vive me dizendo:" Amiga, eu acho que você deveria sair mais se distrair mais um pouco, andar mais com a galera da música, vir pra cá mais vezes e ficar perto também das pessoas com quem você não convive tanto"

E depois de taaaaanto tempo Juh(com H no final, ô metidaaaa rsrsrs) disse pra mim:"Você pode encontrar várias pessoas na sua vida..muitas mesmo...mais tenha certeza absoluta que nenhuma delas vai te amar como eu ainda te amo!!"

Minha querida carregadora de garrafas de Abaíra, Daline ordenou: "É bom a Senhora melhorar mesmo, porque o mundo tá nos gritando pra viver coisas boas."


"Gostar dói. Muitas vezes voce vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração.....
Faz parte. Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse....
"(Arnaldo Jabor)

Bom acredito mesmo que não tenho mais muitos motivos pra ficar deprê...
To virando uma página definitivamente...
Sem drama!
E sem maiores explicações...
"Meu mundo tá fechado pra visitação"(Dani Carlos)



Por: Livia Queiroz, com contribuições importantíssimas!
heheh


domingo, 7 de setembro de 2008

Sem título

Creio que durante alguns dias(ou algum tempo, ainda não sei) esse blog vai ficar meio amargo, mas acredito também que logo logo virá o sabor adocicado.


É que ainda é tudo muito recente pra mim. Minhas mãos tremem por nada...calafrios...estou me acostumando.

Voltei à vida de antes... não é tão ruim assim, loucura minha acreditar que poderia ser facil. Venho tombando em mim mesma (isso não é complicado, acontece).
Recolho uns sentimentos menos utilizados nesse momento, mas ainda assim
quero desgastá-los. Quero acabar com eles até a última gota, até que sobre Nada.

Aí antes de dormir, ao invés de fazer uns planos loucos, tomo um Amitril, ponhos os fones no ouvido olho pra cima(meu Deus! há quanto tempo eu não rezo?I) e adormeço rápido sem prestar muita atenção na música que me "ninou".

É as coisas vão voltanto mesmo ao normal. Cada dia é um a menos. Cada dia é um a mais.

Umas antigas histórias vieram me "perseguir", isso também não foi ruim. Ri, relembrei, reencontrei pessoas. Mas isso...

O ruim é ter certeza que as coisas mudaram, de maneira inesperada...
É ter que reconstruir pedaço por pedaço.
E as músicas? E os cheiros? Os lugares? As fotografias?(Esquecer tudo? Cadê o Delete de meu coração?)

Mas assim desse jeito todas as vidas vão girando, os caminhos se cruzando.


Vale lembrar, não sinto raiva nenhuma. Nem um pingo. Não tenho motivos. Nunca tive. O que carrego mesmo são coisas que pouco importam agora.


Eu não acredito mais em estrelas cadentes. Eu não uso mais o anel de coquinho. Eu não canto mais as músicas de antes.

Meu destino mais proximo fica entre uns comprimidos e uma possivel sala de cirurgia.
E tenho mesmo é que me concentrar nisso.
O resto, bem... tudo vai tomando forma aos poucos, sempre aos poucos.

Sigo aí cantarolando coisas minhas, às vezes até resmungando. Reclamando dos preços, da política, da pobreza, da violência...
O Escuro tem vida própria e é a minha própria vida. Tembém não há problema nisso.

Medito, penso, repenso e mais um Amitril...tiro e queda. Uma noite ja se passou.
É não é que estou M-E-S-M-O me acostumando?
Resistindo à mim mesma.

Ah, as feridas? Sim, elas estão aqui... mas isso some também. Vou tentar pelo menos diluí-las em fórmulas de poesia, de música ou de coisas s o l t a s e borbulhantes.

Quando eu sentir saudades volto aqui pra ler isso

(Por: Livia Queiroz)

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Como é que se diz: "Acabou"?

Não aprendi exatamente o sentido dessa palavra... Confesso que nenhum outro verbo tinha doído tanto até hoje.
Eu só queria entender.
Eu não vou pedir nada(como sempre foi), também não vou tentar argumentar... Só que "Acabou" tem um peso sombrio pra mim, ainda que eu finja o contrário, sustentando a máscara de 'Boa Menina'! Sempre gostei muito das palavras, mas havia esquecido que essa existia!

Existe uma possibilidade enooooorme de você ler isso aqui, mas saiba que nada disso é pra te machucar...te ferir.

Não é pra te deixar do jeito que eu estou.

Escrevi isso há alguns dias e terminei ontem(03/09/08) à noite...



"Essas noites andei pensando...

Lembrando de quantas coisas tenho renunciado
De quantas coisas tenho deixado pra trás...
Quantas palavras frias ando engolindo...
E não é por medo, é por não ter medo do que elas representam!

E eu que tinha tanta paciência pra esperar
agora já não tenho mais tempo.

Essa dor que se entrelaça no meu peito,
é certeza de sede saciada para os poetas

Não vou te ferir com os tons que possuo...
Mas cansei de viver "fazendo das tripas coração"
Eu não vou repetir mais as mesmas coisas,
"Eu te amo", pela última vez.

Falei que aguentaria o "tranco", que suportaria e blá blá blá,
o que eu não sabia era que a vaga a ser preenchida era pra "saco da pancadas"

Não quero as esmolas, nem os seus restos nos fins de semana
Não quero nossos sexos juntos por obrigação
Não é contrato...
Não é favor...

Desculpe se te peço um pouco mais de água
É que nesse momento minhas raízes estão frágeis.

o tempo é meu inimigo mais cruel(nesse momento), e você não vê
E nem calcula o peso exato da sua indiferença
não preserva os gostos bons.

Joga um tapete no chão para que eu possa esconder essas palavras...

Mas eu não vou esconder nada:

Hoje, pela primeira vez, te ver foi "normal".
Vi mas não olhei...desviei meus olhos para o chão rapidamente.
Foi bom!
Acho que estou me curando!
Hoje não tive coração acelerado, nem pernas trêmulas.
E nem quis carinho algum, nem beijo. Nada.

Lá vou eu de volta ao velho canto...
Sem sentido e sem encanto"


Por: Livia Queiroz

"Num dia frio lendo um livro" (Sugestão de Djavan)


sexta-feira, 29 de agosto de 2008

{([des]³pedaços)²}¹

As paredes ainda me incomodam com a falta de cores e o ar gélido que exalam.
Ando redecorando umas poucas cenas e rindo da minha constante mudança de humor, enquanto
minha aflição, nem um pouco simpática, brinca comigo criando suposições.
Imaginação pobre.
Suja, como eu.
Suja.
Só isso.

Uma imagem é meu repouso.
Sigo a linha negra que é feita todos os dias no contorno de seus olhos...e depois é apagada
volta a ser originalmente doce e me vem na mente como as melodias que sonho alcançar.

Aplausos não surtem efeito.

E se for um jogo novo, por favor, livre-me, deixe-me ir.
Eu não sei brincar dessas coisas. Desconheço esses brinquedos.
Meu coração está aleijado.

Vivo de meus absurdos - destino favorito.

Ignoro tudo quando desenho pela milionesima vez, a mesma imagem em cada milimetro da palma de minha mão.
E aqui (exatamente agora) nas linhas que escrevo, não há mais tanta distancia entre céu e chão.
Os pensamentos desconhecem a Lei da Gravidade.

Imagino sua presença nas minhas madrugadas, mas aí, bichinho invejoso que é a realidade, insiste em me mostrar como isso aqui é frio.

Rasbiscos tolices enquanto espero.
E não sei se as pontas dos meus dedos estão queimando ou se o que me incomoda mesmo é a falta de ruídos.

Ajeito tudo muito rápido e encontro, despretenciosamente, o que falar.

Penso então, nas drogas que eu não usei e nas que ando escrevendo.
Penso nos cortes que fiz em algum corpo, meu.
Prefiro lembrar agora do que eu não disse, e lembrar de uma voz qualquer me pedindo pra parar de balançar as pernas.
Isso não é ansiedade.


Por:Livia Queiroz


quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Pétala por Pétala

“...Mas que bobagem, as rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam...” (Cartola)


Existem coisas que eu gostaria de não escrever, mas elas rodopiam minha mente. Evito-as enquanto posso porque elas saem de maneira dolorosa, como que a rasgar os meus poros.


Hoje quero falar de algumas flores, e elas são tantas...
São rosas... Margaridas... Camélias...
Todas lindas, todas únicas, vivas, perfeitas.
Quero falar das flores machucadas, feridas.
As rosas despedaçadas pelos cravos truculentos.
As que são esmagadas todos os dias nas mãos dos homens-bichos.
Preciso falar de toda a dor que eles causam por puro prazer.


Quando tudo começa com um simples tapinha e depois arrancam pétala por pétala, num joguinho maldoso e cruel de “mal-me-quer-bem-me-quer”.
Falo disso como se sentisse esse medo...
Falo sentindo a mesma dor e indignação que o silêncio causa na alma.
Com os pensamentos doídos perfurando o cérebro.


Porque pra ser “homem” tem que maltratar... Humilhar... Ferir?
Porque eles confundem os corações com seus pênis duros?
Como podem matar aos poucos as flores que [es]colheram para amar, “na alegria e na tristeza; na saúde e na doença, por todos os dias de sua vida”.
Porque causam tanta D-O-R?


Não sei exatamente os motivos que levam alguém a agir assim, e prefiro também nem entender.


E porque as flores não gritam?
Porque elas se deixam apodrecer nas mãos assassinas que roubam-lhe a alma pouco à pouco?
Porque elas suportam tanto?
E COMO suportam tanto?


Eu quero algo diferente.
Quero notícias diferentes nos jornais. Coisas boas.
Minha pouca existência recusa-se a acreditar que essas flores reduzem-se a migalhas de nada.


E porque ninguém As escuta?
Porque ninguém olha pras flores jogadas abismo abaixo?
Eu queria uma razão... Só uma...
Uma explicação P-L-A-U-S-Í-V-E-L! (se é que possa existir)

Alguém aí pode me dizer porque estão acabando com as flores dos jardins do mundo?


Lei número 11.340 decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva em 7 de agosto de 2006, cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.”

As flores precisam Gritaaaaaar!

Por: Livia Queiroz